terça-feira, 21 de maio de 2013

Frank Sinatra - Three Coins In The Fountain (1954)



A Fonte dos Desejos (1954)
Rubens Ewald Filho

Nos anos 50, a Fox usava uma fórmula infalível em seus filmes: três garotas que moram juntas e, se possível, procuram um milionário. Em 1954, quando o estúdio estava aperfeiçoando o sistema cinemascope (hoje conhecido como widescreen), a situação foi mais uma vez reciclada pela Fox, só que agora rodada em lugares autênticos, no caso de "A Fonte dos Desejos", na cidade de Roma.

Foi assim que surgiu o filme que transformou em tradição o fato de jogar moedas na Fontana di Trevi para poder retornar a Roma.

As garotas são três beldades que aqui não cantam nem dançam: a quase veterana e séria Dorothy McGuire, estrela de fitas como "Claudia" e "A Luz É para Todos", então com 36 anos; a morena Jean Peters ("Capitão de Castela"), com 28 anos, que morreu em 2000 e estava prestes a largar o cinema para se casar com o milionário Howard Hughes; e Maggie McNamara, com 26 anos, a menos conhecida delas, que está no seu segundo filme e que havia sido lançada como estrela em "Ingênua até Certo Ponto". Maggie se matou em 1978, aos 50 anos.

Não há praticamente história, apenas passeios turísticos por Roma, às vezes feitos em estúdio com tela de projeção de fundo e com três galãs, um para cada. Dorothy ganhou o esquisito veterano Clifton Webb, nunca convincente em papéis românticos (era assumidamente gay); Maggie ficou com o francês Louis Jourdan; e o italiano Rossano Brazzi é o par de Jean.

Tudo isso resultou num filme agradável, mas o estúdio achou que faltava algo, principalmente uma música-tema. Assim, num único take, Frank Sinatra gravou "Three Coins in the Fountain", de Jules Styne e Sammy Cahn.

"A Fonte dos Desejos" foi um sucesso tão grande que o longa chegou a ser indicado a três Oscar e ganhou dois, o de fotografia e o de canção. Em 1964, a Fox adaptou a mesma história em "Em Busca do Prazer", que se passa na Espanha, do mesmo diretor e com Ann-Margret, Carol Lynley e Pamela Tiffin.

O original não perde seu charme e encanto. Não conheço turista que não o relembre e o imite com prazer.