segunda-feira, 9 de abril de 2012

Roberto Silva - Descendo o Morro (1958)


01- Indecisão
02- Risoleta
03- Juracy
04- Óh Seu Oscar
05- Seu Libório
06- Agora é Cinza
07- Pisei Num Despacho
08- Ai! Que Saudades da Amélia
09- Falsa Baiana
10- Emília
11- Bebida, Mulher e Orgia
12- A Voz do Morro

Link:
http://www.mediafire.com/?v0zj558v34zkq6v

Roberta Sá & Roberto Silva - Falsa Baiana



PARABÉNS ROBERTO SILVA, O ANIVERSARIANTE DO DIA!


Roberto Napoleão Silva (Rio de Janeiro, 9 de abril de 1920) é um cantor e compositor carioca, conhecido como O Principe do Samba.

Nascido no morro do Cantagalo em Copacabana, iniciou a carreira de cantor no rádio, na década de 30. Nos anos 40 realizou suas primeiras gravações, e foi do elenco das rádios Nacional e Tupi. Nesta última ficou conhecido como "príncipe do samba", e suas interpretações são características pelo estilo sincopado e levemente dolente que encontrou para cantar samba, inspirado em dois ídolos anteriores, Cyro Monteiro e Orlando Silva.

Seu primeiro sucesso, lançado pela Star, foi "Mandei Fazer um Patuá" (R. Olavo/ N. Martins). Em 1958 veio o LP "Descendo o Morro", que teve continuações, nos volumes 2, 3 e 4. Entre seus muitos sucessos destacam-se "Maria Teresa" (Altamiro Carrilho), "O Baile Começa às Nove" (Haroldo Lobo/ Milton de Oliveira), "Juraci Me Deixou" (Raimundo Olavo/ Oldemar Magalhães), "Escurinho" (Geraldo Pereira) e "Crioulo Sambista" (Nelson Trigueiro/ Sinval Silva), entre outras. No total, gravou 350 discos de 78 rotações e perto de 20 LPs. Afastado das gravações nos últimos anos, teve vários de seus discos relançados em CD e em 1997 saiu a coletânea "Roberto Silva Canta Orlando Silva", extraída de seus vários LP na Copacabana.


Fonte: Wikipédia

terça-feira, 3 de abril de 2012

Comentário recebido:

Caro Amigo,

Parabéns, pela postagem desta bonita homenagem à querida e inesquecível Núbia Lafayete.
Uma de nossas melhores cantoras, de todos os tempos; com estilo próprio, personalidade, e um jeito muito peculiar de expressar o romantismo e a alma feminina.
Lamentávelmente, foi muito pouco respeitada, pelas gravadoras, onde trabalhou; e, igualmente, ignorada pela esnobe crítica musical.
No entanto, o povo simples (mas, sábio), este, sempre soube reconhecer o seu valor; prestigiando-a, em todas as fases de sua carreira artística.
Nilde Araújo, a moça bonita, simples, modesta e sonhadora, que, um dia, virou a estrela de rádio, Núbia Lafayette; mas, que jamais, perdeu sua autenticidade, simpatia e o carinho no trato com os fâns.
Infelizmente, aos 70 anos, deixou a vida na terra, para ser mais uma estrela no céu; indo, juntar-se, ao selecionadíssimo elenco da "emissora celestial".
Mas, para nosso consolo, ficaram seus discos, suas fotos, e sua presença espiritual; gravada eternamente em nossos corações.
Portanto, novamente, lhe digo obrigado, por lembrar-se dela em seu excelente Blog; nos permitindo, assim, matar a grande saudade de sua linda voz!
Abraços,
Paulo Ventura (Niterói - RJ)


Obrigado, caro amigo Paulo Ventura, pelas referências gentis ao nosso blog.
Ouvir a Núbia cantar com sua voz serena e tão delicada, e ver seu rosto lindo irradiando simpatia, já me era motivo suficiente para
imaginá-la gentil e carinhosa com sua imensa legião de admiradores.
Agora, com teu depoimento oportuno e tão bem colocado, pude ver confirmado tudo aquilo que ela me transmitia.
Lastimo não ter tido a oportunidade de assisti-la cantando e, se possível, chegar perto e dizer que ela era minha cantora preferida. Diria também que aqui em Pelotas ela tinha um público que a adorava, como de resto em todo nosso Rio Grande do Sul.
É um prazer enorme tê-lo viajando conosco na nossa Estação.
Um grande abraço!

Vitor Hugo

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Núbia Lafayette - Compacto Simples (1981)



Lado A:
Minha Sorte
Lado B:
Mais Uma Lição

Link:
https://mega.co.nz/#!X1x1UDAC!X2ggwlHbgSapdr9OMyqRWTaFNH1h0u_avh5H9UGz3Jw

Núbia Lafayette - Mais Uma Lição

A saudosa e inesquecível Núbia Lafayette está cantando para os passageiros da ESTAÇÃO.
De 1981, esta beleza de composição de Nonô Basílio, "Mais Uma Lição".
Os anos 60 compõem o cenário do videoclipe.